Thursday, April 30

Gostos não se discutem, right?
Not. Pelo menos, não para a minha mãe.
Nós até somos bastantes parecidas, para lá de fisicamente, mas obviamente que há pontos em que divergimos. E muito, principalmente em certos gostos. Porque tenho o cabelo comprido demais e para ela fica mal, porque às vezes me visto de preto da cabeça aos pés e também não fica bem porque sou muito morena, porque não gosta da cor do verniz que uso e outras futilidades que tais. Tempos houve em que também tinha que dar a sua opinião sobre a música que eu ouvia mas aí tivemos de ter uma conversinha porque pá, se ela quer ouvir Michael Bolton (sim, a minha mãe ouve Michael Bolton.. é da idade... :P) nem eu nem o Miguel, o meu irmão, temos nada a dizer sobre isso. Vá, gozamos um bocadinho e tal, mas pronto. Ela que oiça lá o que lhe apetecer que a mim não me aquece nem me arrefece mas que também me deixe ouvir o que gosto.
O maior problema da minha mãe (e consequentemente meu, porque já deu azo a muiiiiita conversa cá em casa) é as tatuagens. Ora, se há coisa que ela não me pode dizer é que isto é coisa da idade porque desde os meus oito anos, ou seja, há dez anos atrás e muito antes de saber que eram feitas com agulhas, já eu dizia que queria fazer uma, um dia. Na altura, os meus colegas da primária diziam "Coitadinha, está maluca." e a minha mãe achava que eu só dizia isso porque não sabia como é que se faziam. Passaram-se nove anos e um dia saí de casa depois do almoço e disse à minha mãe "Vou ao Colégio ter com a D. e depois vamos ao Bairro Alto. Vou fazer uma tatuagem."
Ela resmungou, resmungou, mas eu fui e nesse dia, 18 de Outubro de 2007, 16 dias depois de fazer 17 anos, finalmente fiz a primeira (que ela julgava que ia ser primeira e última... Ahahah.)
Diz quem já fez, e digo eu também, que a partir da primeira, a pessoa ganha um vício novo e é verdade. Já na altura tinha planos para as que serão as seguintes e actualmente esses planos já passaram para o papel. Só me falta passar do papel para a pele. E ter uma conversinha, mais uma, se as for a contar já são para aí umas dez sobre a mesma coisa, com a minha mãe.
Lá porque ela não gosta, lhe faz impressão, acha feio, acha que dói (que a mim não me doeu nem um bocadinho) e acha que eu me vou arrepender, não há maneira de lhe meter na cabeça que é a mim que me dói, é a mim que fica feio e é a mim que o arrependimento calha e é do meu bolso que depois, caso isso aconteça, sai o financiamento para a remoção a laser... Quer dizer, não me vou propriamente transformar nesta, sinceramente... Talvez mais próximo da Angelina Jolie (aquela oração no ombro é das mais bonitas que eu já vi).

Ainda se eu fosse fazer uma parolice daquelas a dizer Amor de Mãe ou um meio-coração ou uma dessas pinderiquices, tudo bem. Aí, até agradecia que ela me prendesse em casa até me passar a parvoeira. Mas (há sempre um mas), não quero fazer nada disso. Aliás, até sou muito esquisitinha com as tatuagens: só gosto delas da cintura para cima, ou seja na parte superior do corpo; nada de desenhos a cores, só a preto e talvez verde-escuro que é muito parecido com o preto, nem nada de figuras de pessoas; não suporto tatuagens na cara nem nas mãos (a não ser talvez a fazer de aliança mas isso é muito arriscado) e não gosto de nomes. Nem da mãe, nem do pai, nem do namorado/marido ou sequer do canário. Quanto muito, dos filhos mas só se for uma coisinha muito discreta... E, e, mesmo assim... Para mim, só símbolos ou letras/frases ou datas. As simple as that. E com isso, já dá para fazer bastantes coisas.
Ontem fui ao sítio onde fiz a minha estrelinha e pedi um 'orçamento' para a que quero que seja a seguinte. Vim para casa com uma desilusão tão grande que nem estava a pensar bem. Só via era aquele número gigantesco à minha frente... Lá está, foi uma situação onde me apeteceu largar um F***-**!

Wednesday, April 29

Vá lá, vá lá...

Não ouvi outra vez o "Ah não, de momento não temos, estamos à espera...". Ouvi um "Se encomendar, demora um mês, mês e meio." e respondi "Então encomendo.". Dos três livrinhos da minha lista trouxe o Dearly Devoted Dexter que por sinal já li, mas a versão original é sempre diferente portanto vou ler outra vez. Os outros dois, os seguintes da saga, ficaram já encomendados.
Pelo caminho, perdi a cabeça e comprei algo que não estava na lista mas que eu já andava a namorar desde Dezembro.
Sim, sou apanhada da cabeça, mas pronto... Agora no resto do mês já não gasto mais dinheiro. A não ser pagar a carta de condução, mas isso é outra conversa...
Pelo menos estou contentinha... Já posso ver The Dark Knight repimpada no sofá... :)

(Sou só eu ou este post é altamente estúpido, sem sentido e desnecessário? Aí Alexandra, Alexandra...)

Tuesday, April 28

Queridos Senhores da FNAC

Estão bonzinhos desde a última vez que aí estive? Bem vistas as coisas, não foi assim há tanto tempo. Sim, o meu irmão esteve aí mais recentemente a comprar os bilhetes para os Dream Theater (e é tão querido que até me ofereceu o bilhete, que fofinho!, cá beijinho à mana) mas ele passa mais despercebido que eu e eu sei que vocês não se esquecem de mim facilmente. Eu sou aquela (eeeh pá, agora com esta lembrei-me daquela música dos Excesso, credo!) que na altura do Natal passou uma hora a olhar para os livros de Cinema e de Fotografia e no fim pediu um livro que vocês não tinham. Aquela que vai sempre perguntar ao rapazinho com o cabelo meio rasta se tem os livros do Jeff Lindsay no original, que eu cá sou pouco amiga de traduções, e ele diz sempre a mesma coisa. "Ah não, de momento não temos, estamos à espera...". Aquela que uma vez foi ter com um de vocês que estava vestido de preto da cabeça aos pés, tinha o cabelo maior que o meu e aquele ar de fora-do-trabalho-sou-muita-metaleiro e lhe perguntou se vocês tinham o DVD All Excess dos Avenged Sevenfold e ele ficou a olhar com cara de Do que raio que é que esta está para aqui a falar? e disse "Espere aí que eu tenho que ir ali perguntar ao Carlos do metal.". Essa mesmo.
Venho assim por este meio descansar-vos porque, apesar de amanhã estar de folga e nos próximos dois dias serem os Dias do Aderente FNAC (em que tenho 10% de desconto em qualquer artigo), não vos vou massacrar muito. Em príncipio, só devo ir aí amanhã ao fim da tarde e vou-me conter bastante. A minha lista de compras até é pequenina que isto não há espiríto (nem dinheiro) para muita extravagância.
Mas como não pode ser tudo bom, vão-se preparando porque eu vou perguntar outra vez pelos livros do Jeff Lindsay. Portanto, se não der muito trabalho, vão mudar a cassete ao rapazinho do cabelo meio rasta, porque já não há paciência para ouvir sempre a mesma conversa.
Obrigadinha.
Beijinhos,

Alexandra

Monday, April 27


Um dia, vou ouvir o Eddie Vedder cantar ao vivo "I'll be here, come back, come back..." mesmo pertinho de mim. E, ao som daquela voz perfeita que ele tem, acompanhada pelas guitarras do Stone Gossard e do Mike McCready naquele solo do outro mundo, vou fechar os olhos, recostar-me num abraço e deixar escapar uma lágrima ou duas (com esta música acontece sempre...). Vou ser tomada de assalto pelo desespero que ele vocaliza naquele final de música, com aquele pedido quase implorado, que eu própria já fiz inúmeras vezes. Vou sentir os joelhos a tremer e o ar a fugir-me dos pulmões. Vou sentir um beijo no pescoço, daqueles normais e de-todos-os-dias, mas ainda assim será o mais prolongado e mais apaixonado de sempre. E ao abrir os olhos, vou sentir-me completa e inteiramente feliz.

21st Century Breakdown

Que saudades que eu tinha dos Green Day, meu Deus! Qualquer alminha que tenha vivido nos anos 90 sabe que Dookie marcou uma parte muito importante na História da Música nessa época. E dez anos depois disso, foi a vez de American Idiot, aquela Opera Rock sensacional, uma crítica descarada à Administração Bush e a todas as Administrações Bush deste mundo, tomar de assalto tudo o que era top. Aqui a vossa amiga gostou, e muito, desse disquinho e mais ainda do DVDzinho que saiu depois e que dava pelo nome de Bullet in a Bible. Lindo. Genial.
Portanto, ao fim de cinco anos, o pessoal já tinha umas saudades destes três rapazes. E eis que chegados a 2009 eles anunciam este álbum novo, 21st Century Breakdown, que tem a data de lançamento marcada para 15 de Maio. E, maravilha das maravilhas, a nova tour tem paragem em Lisboa, a 28 de Setembro, no Atlântico. :)
'Do you know the enemy?

Do you know your enemy?
Well, gotta know the enemy.'

Estes três são rapazinhos para me levar à loucura e me porem a saltar do alto dos meus Allstar verdes durante um concerto inteirinho como se não houvesse amanhã. E olhem que isso não é estatuto que eu conceda a qualquer um... :)
Ontem passei a tarde quase toda a pensar que hoje vou trabalhar outra vez...
Estou super-enjoada, porque quando fico nervosa não como nem durmo nada de especial.
Tenho de ir trabalhar... e a minha vontade é telefonar a dizer que estou doente...Aí...

Sunday, April 26

Vicky Cristina Barcelona

Vicky Cristina Barcelona retrata o Verão que Vicky, prestes a casar-se, e Cristina, recém-saída de mais uma relação falhada, passam em Barcelona, onde conhecem Juan Antonio, um pintor espanhol que vai alterar por completo a vida de ambas.
Este é o segundo filme que vi do Woody Allen. Até agora, o único filme que tinha visto dele tinha sido Scoop e detestei. Por outro lado, este Vicky Cristina Barcelona é absolutamente genial. A história, os actores, os personagens... Nunca fui muito com a cara da Penélope Cruz mas adorei a Maria Elena. E pronto, o Javier Bardem nem se comenta... bom, mas bom. Quanto à Scarlett Johansson, acho que ainda alguém me vai ter de explicar o que é que aquela gaja tem para estar tudo 'Aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii, adoro a Scarlett!' porque eu ainda não percebi, sinceramente.
E depois, para tornar isto tudo ainda mais perfeito, o filme passa-se em Barcelona que é a minha segunda cidade preferida no mundo. Fui lá com a minha mãe quando tinha 12, 13 anos e ficámos lá quatro dias. Amei completamente a cidade e desde então que tenho uma enorme vontade de lá voltar. Ao ver o filme, foram inúmeras vezes que disse cá para mim "Olha, já tive ali!". :)
Vale a pena ver. E rever. Mesmo.

(Por oposição, o Planet Terror é, passo o trocadilho parvo, um autêntico planeta do terror. Tenho para mim que o Robert Rodriguez quis dar uma de Tarantino e tal, mas só conseguiu fazer um filme altamente nojento e estúpido. Enfim... É o que temos.)

Friday, April 24

Weekend Mode: ON!

Finalmente a semana chegou ao fim. Enquanto toda a gente está a pensar "Olha que porcaria o feriado calhar num sábado!", eu estou muito grata por assim ser já que, pela primeira vez em não-sei-quantos meses, já lhes perdi a conta, vou ter um fim de semana de dois dias. Weeeee... :)
Para animar um bocadinho e esvaziar a cabeça dos últimos três dias, que foram verdadeiros pesadelos, nada como começar o meu fim-de-semana com um double feature. Os escolhidos para já foram Planet Terror e Vicky Cristina Barcelona.
Bom fim-de-semana! :)

Thursday, April 23

The Motivation Proclamation

Não sou pessoa de engolir sapos. É raro 'ouvir e calar' e não suporto arrogâncias e injustiças. Também detesto gente que parece que o único interesse é gozar com a minha cara.
Acho que já aqui disse uma vez que, se há coisa que não sou é vidente. Mas mal tirei a cabecinha da almofada ontem de manhã, parecia que estava a adivinhar que o dia não ia correr bem. Nada bem.
Convém primeiro situar-vos na minha onda de pensamento: durante cerca de 15 dias, todo o trabalho que tem de ser feito para que uma loja se mantenha de pé (e não, esse trabalho, o meu trabalho não é só vender, ao contrário do que muito boa gente pensa) e que normalmente é feito por duas pessoas, teve de ser feito só por uma porque a outra estava de férias. Deixei de ter folgas, horas de almoço passaram a minutos (poucos) de almoço e muitas vezes trabalhei around the clock, não só de manhã mas também à noite.
Ora, fora nós as duas, há ainda uma terceira pessoa que pouco ou nada mais faz a não ser mandar. E mandar. E mandar... E ontem, estando sozinha com ela, pressenti que ia dar asneira. E deu.
Portanto, vejamos. Eu não sou a versão feminina do Einstein mas também não sou burra que nem uma porta. Sou até bastante mais inteligente que aquela Senhora Doutora Advogada que se julga superior ao resto do mundo. Modéstia à parte, mas sou. E muito mais bem-educadinha também, nem se compara.
Posto isto, o meu dia de ontem pode-se resumir a três situações:
Situação 1 - "Exponha aquilo que é necessário da forma que achar melhor."
E eu, feita estúpida "Vou-lhe ser muito sincera, hoje não estou num dia bom para pensar, não estou com cabeça. Pode-me dizer como quer?"
Resposta: "Azar o seu. É um dia de trabalho. Portanto, faça!" e sai porta fora.
Quando volta, lá estava eu a acabar de expor tudo, da forma que achei melhor. Viu-me fazer aquilo tudo, sem mexer nem um milímetro nem dizer nada.
Situação 2 - "Eu disse-lhe para pôr as peças por PADRÕES!", não vai de modas, pega em tudo o que eu tinha feito, atira literalmente com a roupa para os lugares onde queria. E eu, caladinha, caladinha. Finda aquela triste cena de má-educação, "Não é muito díficil, pois não? Ou precisava que lhe fizesse um desenho?"
Pois. E eu? Nada. Caladinha, caladinha.
Situação 3 - A seguir, claro que tinha de ir arrumar aquela tralha toda, fora tudo o que tinha sido retirado daquele expositor nessa manhã. Ainda faltava outro expositor, no fundo da loja, que estava completamente vazio. O que é que se seguiu? "Ah, eu não estou aqui a fazer nada, vou-me embora. Até amanhã."
Portanto, eu cheia de trabalho até à ponta dos cabelos, uma mesa com para aí meio metro de altura de roupa para arrumar, e ela vai para casa. Porque não tinha nada para fazer. Porque ajudar-me a arrumar aquilo tudo e dar um ar decente à loja (que não é minha e se tem mau aspecto não é meu problema) que parecia a feira da Ladra, não, que isso custa muito!
Há dois meses fui inscrita numa acção de formação onde me disseram que, para a marca, o mais importante é que as vendedoras estejam a trabalhar motivadas.
Motivação? Oh, isso é o que não me falta. Eu acordo todos os dias aos pulinhos, toda contentinha da vida por ir passar as nove horas seguintes ali fechada. Oh, que alegria!
Juro, juro pela minha mãezinha, que só não saí porta fora ontem por duas razões: a primeira, porque assinei um contrato e eu cumpro sempre com aquilo que me comprometo e a segunda porque não ando ali por não ter nada mais interessante para fazer (como certas pessoas) mas sim porque preciso. Porque não vai ser o Espírito Santo que me vai pagar a faculdade.
E hoje a conversa foi igual. E eu não aguento isto por muito mais tempo, porque isto anda-me literalmente a dar cabo dos nervos e eu não posso estar assim...

(Música que dá título ao post aqui. Mais uma vez, desculpem o desabafo, mas teve de ser...)

Wednesday, April 22

Into the Wild

"Happiness only real when shared."

In the end, it all comes down to this...

Tuesday, April 21

Vou ali ver


"If you want something in life, reach out and grab it."

(Se eu não prestar atenção nenhuma ao filme, a culpa é dos olhinhos do Emile Hirsch.)

Monday, April 20

Odeio Cabras.

É que odeio mesmo. Parece que me fazem alergia, fico logo apanhada. Estava aqui a pensar numas coisas antigas e cheguei à conclusão que era metê-las num barquinho, torturá-las o caminho todo daqui até ao meio do Pacífico e depois rebentar com aquilo tudo.
O mundo era melhor e eu tinha menos coisas na minha cabeça para me lixar a vida.
Mas pronto... é o que temos.

(Mudei o título para esclarecer umas dúvidazinhas.)

Sunday, April 19

Inglorious Basterds

Foi amor à primeira vista. Quando vi o Kill Bill Vol.1 e 2, fiquei vidrada nas qualidades dele. Uma realização fantástica (ai, aquela sequência do restaurante...) aliada a uma história viciante e a uma banda sonora perfeita. Assim, ascendeu meteoricamente para junto do Tim Burton como um dos meus realizadores favoritos. Fora de ordem, vi Pulp Fiction, Death Proof e Jackie Brown. Já (re)vi mais de dez vezes o episódio que fecha a quinta temporada do CSI, também realizado por ele. Só me falta ver Reservoir Dogs, o seu primeiro fime.
Daqui a uns meses, estreia Inglorious Basterds. Vi o trailer há alguns dias e, como sempre, fiquei curiosíssima para ver. Para além de se passar numa época pela qual tenho um certo fascínio, a II Guerra Mundial, é narrado pelo grande Samuel L. Jackson (toda a gente se lembra do Jules Winnfield no Pulp Fiction...) e tem o Brad Pitt no papel de um tenente que forma um exército com o objectivo de exterminar os nazis.

"You Haven't Seen War Until You've Seen It Through the Eyes of Quentin Tarantino."

Estreia dia 21 de Agosto nos EUA e penso que em Portugal estreará dia 27. :)

Thursday, April 16

E assim uma pessoa tem 18 anos e pensa "Porra pá, tou a ficar velha..."

Nuno says (23:00):
mata-te q a vida continua é uma filosofia de vida
Alexandra MANCHEEEEESTER! says (23:01):
eehhh
Alexandra MANCHEEEEESTER! says (23:01):
lembras-te dessa?
Alexandra MANCHEEEEESTER! says (23:01):
isso foi que?
Alexandra MANCHEEEEESTER! says (23:01):
no 9ºano pai...
Nuno says (23:02):
ya
Nuno says (23:02):
foi no 9º
Alexandra MANCHEEEEESTER! says (23:06):
xiii, o 9 ano
Alexandra MANCHEEEEESTER! says (23:06):
onde é que isso já vai


E pronto. É assim que, numa conversa de MSN, uma gaja chega aos 18 e pensa "Epá, tou a ficar velha...". Tudo isto por causa de uma filosofia de vida da autoria de Nuno (que, segundo o próprio, será famoso em breve) dita algures no ano de 2005, à porta da sala 28. Enfim... é daquelas coisas. :)
(Só o facto de aturar este rapaz deste 1994 devia-me garantir um lugarzinho no Paraíso.... Ahahah!)

E tudo o Man. United levou...

Se o Cristiano Ronaldo é o melhor do mundo ou não, sinceramente não me interessa agora (mas tenho cá as minhas dúvidas). Agora, que o Manchester United é o segundo melhor clube do mundo, sim, disso tenho a certeza. :)
E aquele golo ontem foi qualquer coisa de espectacular... Aí, Jesualdo, Jesualdo... tenho cá a impressão que ficaste com umas trombas ontem maiores que a tua vaidade, o que é díficil.


(Claro está, que o melhor clube do mundo é o Sporting Clube de Portugal, mas isso nem era preciso dizer porque é óbvio!)

Wednesday, April 15

Querido São Pedro,

Como deves saber, que aí de cima vê-se tudo, eu não sou gaja que goste de andar com o guarda-chuva atrás. Sou daquelas que assim que vem um bocadinho de sol, arruma logo os casacos de Inverno. Aumenta um bocadinho a temperatura e recupera logo as tão amadas t-shirts do fundo do armário. Troca os ténis da Nike que, em teoria, eram para ir ao ginásio e correr, pelos All Star, pobres sapatos de pano que mal apanham um bocadinho de água ficam logo ensopados e pelas sabrinas, também elas muito frágeis. Botas? Nem pensar.
Portanto, meu querido São Pedro, como calculas, com aqueles autênticos dias de Verão que nos presenteaste em Fevereiro/Março, mandei logo os casacos de Inverno para limpar e arrumar e agarrei-me com força às minhas t-shirts e aos meus All Star, dos quais tantas saudades tinha. E agora fazes-me isto? Desde ontem que chove como se o mundo fosse acabar? Está um frio desgraçado há uma data de dias que me fez ir outra vez buscar os ditos casacos, tão bem arrumadinhos que eles já estavam?
Tá mal, São Pedro, tá mal... Por isso, e para que aqui a malta não se chateie, vê lá se ganhas juízo e páras de despejar água (para não dizer aquela outra palavra que toda a gente diz e tal, porque é um bocado feia) cá para baixo, sim? É que já não há paciência.
Obrigadinha.
Beijinhos,

Alexandra

P.S. Para além de que eu trabalho numa loja de rua e, como deves calcular, a chuva não ajuda nada ao negócio e eu passo os dias a olhar para as paredes. E isso é um bocadinho chato.

Tuesday, April 14

O Anão. O ROBERTO!

Rebolo a rir cada vez que vejo isto. Sério.

"R: E chega o Mariconço...
T: EU!
R: Chega este gajo."


Ahahah...

Monday, April 13

Cão como Nós

O meu pai adoptou na semana passada uma Schnauzer miniatura com cerca de seis meses e ontem, quando fui lá a casa, vi-a pela primeira vez.
Ora, eu não sou nada dada a cães. Nada mesmo. Segundo me contam, apanhei um trauma quando era bebé com um cão e desde aí que não me chego ao pé dos ditos bichos. Só muiiiiito raramente é que me aventuro a fazer uma festinha e tal, mas não há cá confianças. Portanto quando o meu pai me disse que ia ter um cãozito lá em casa, torci o nariz.
Só sei que ela é o bichinho mais amoroso que eu já vi e, para grande espanto do meu pai, passou a tarde toda de volta de mim. E eu fiz-lhe festas, brinquei com ela e, para meu próprio espanto, até peguei nela ao colo! Não sei o que me deu, mas amei aquela cadelinha. E ao fim destes anos todos, acho que começo a gostar um bocadinho mais de cães. Mas só um bocadinho...

Sunday, April 12

Mr. Smith @ Freira Bar

video

Estas continuam a ser as minhas preferidas, apesar de eles terem umas musiquinhas novas que são boas, mas boas! :)

video

Wednesday, April 8

Parvoíce do Dia #3

Não, a sério, eu começo a achar que as pessoas só podem estar a gozar com a minha cara. Ora vejamos, entra-me uma senhora dos seus sessenta e poucos anos, vê lá umas peças, experimenta e tal e sai-se com esta: "Olhe menina, vou-lhe dizer uma coisa... Sabe, eu nunca tive tabus na cama."
E eu "Ah."
"Sempre fui muito à-vontade, nunca tive vergonhas, nem nada."
"Pois."
"Nunca tive tabus na cama, mas nunca gostei de coisas pretas, sabe?"
"Sim, sim."
Mais meia dúzia de frases do género e atirou com outra pérola: "Acha-me muito velha?"
"Não."
"Ah, sabe, eu também não tenho problemas nenhuns com isso. Sou velha, pois."
"Ah." e pensei cá para mim Se não tivesses problemas com isso, não me tinhas perguntado pá...
Enfim... É o meu dia-a-dia, aturar gente doida...
(E não, eu não costumo manter uma conversa com alguém só por monossílabos. Mas a situação justificava.)

Tuesday, April 7

Situações em que apetece largar um F***-**!

1º Quando se lembram de despejar o vidrão que fica mesmo por baixo da janela do nosso quarto, às 8h da manhã, quando nós ainda estamos a tentar dormir;
2º Quando, ao tomar o pequeno-almoço, entornamos o sumo de laranja por cima do teclado do computador;
3º Quando conseguimos pintar os olhos sem borrar nada, apesar de estarmos cheias de sono e, no último instante, espirramos e o eyeliner faz o risco enorme na nossa bochecha;
4º Quando entramos no autocarro e, na curtíssima viagem de três paragens entre casa e o trabalho, vão duas senhoras já de uma certa idade e gritarem uma para a outra e a discutir quem é que tinha chegado à paragem primeiro;
5º Quando estamos muito sossegadinhas, no local de trabalho, e assim do nada um varão com mais de 250 cabides cai ao chão e parte-se todo e nós temos de apanhar os cabides que estão todos enrodilhados uns nos outros.

Bonito, não é? Pois, ora portanto isto aconteceu-me tudo hoje de manhã, ainda antes de ser meio-dia... Ahahah. But I don't care, porque a partir de hoje começo a tirar a carta de condução! Tenham medo, tenham muito medo... Se tudo correr bem, lá para Julho, Lisboa vai-se tornar uma cidade bastante mais perigosa para todos os outros condutores. Ahahah! :)

Sunday, April 5

O Bairro caiu a nossos pés... não, esperem, nós é que caimos no Camões.

Apesar de ter sido uma pasmaceira de semana, a noite de sábado compensou e se eu não escrevo qualquer coisa aqui sobre isso, o Nuno mata-me. Portanto, aos 18 anos, 6 meses e 2 dias fiquei alegre pela primeira vez, graças às três alminhas que foram sair comigo ontem. É verdade...
E sim, caímos no meio do Largo do Camões, por volta da 1h30 da manhã. Um gritou 'abraço de grupo', juntamo-nos todos e trufas, foi tudo parar ao chão. Enfim... somos apanhados da cabeça, mas somos boas pessoas. :)
Estes momentos são raros, mas bons. Mesmo bons. Daqueles que nos aquecem o coraçãozinho.

Guaranteed

Esta semana foi nula em novidades, acontecimentos ou algo de interesse. Por isso, e para não ficar sem dizer nada decente durante muito tempo, deixo-vos com a música que tem estado no repeat nos últimos dias.
Eddie Vedder (who else?) com Guaranteed da banda sonora de Into The Wild (que neste momento está no topo da lista de must see movies).
Enjoy! :)

Concertos e Tal #1

Os Mr. Smith vão dar um concerto no próximo sábado, dia 11, à meia-noite no Freira Bar na Moita.
Portanto, se no sábado à noite não tiverem planos, quiserem divertir-se um bocado e ouvir musiquinha boa, dêem um saltinho ao Freira Bar. Eles são porreiros e tocam bem.
Apareçam, sim? :)

Friday, April 3

ZZZZZ

Verdade é que estou com um sono horrível, estou literalmente a dormir em pé...
... mas o ter de vir trabalhar uma hora mais cedo compensa pelo facto de hoje ser sexta-feira e eu sair às 19h... :) Weeeee
(E agora, para acordar, vou só ali pôr o David Fonseca e a Silent Void a tocar...)

Wednesday, April 1

Wishlist #3

Se lá para Junho me quiserem oferecer alguma coisa e não tiverem ideias, aqui fica uma dica...Chama-se Monuments and Melodies, vai ser lançado a 16 de Junho e é o primeiro Greatest Hits (com direito a alguns inéditos também) dos Incubus.
E eu quero! Porquê? Uma das razões pode ser vista aqui. :)