Wednesday, December 30

RIP Jimmy [1981 - 2009]


Desde ontem que estou aqui que nem me aguento... Caracinhas!

Thursday, December 24

Merry Christmas and a Happy New Year! :)


"I wrapped it up and sent it
With a note saying 'I love you'
and I meant it"

Se pudesse, agora dava um abracinho daqueles a todos de quem gosto. Não podendo, fica a vontade...

Wednesday, December 23

Como é que eu fiz isto, não sei...

Segunda-feira tive um exame teórico-prático de Química e duas apresentações de trabalhos. Ou seja, o fim-de-semana era suposto ter sido passado a estudar e a preparar os trabalhos. No sábado, acabei um dos trabalhos, a parte escrita, e no domingo devia ter estado a estudar Química.
O que é que eu fiz?
Tive a ver a segunda metade da season 3 do Dexter.
Estudar, népias.
Ora, e quanto é que tive no dito exame? Não sei... só sei que a nota final foi 14,3.

Portanto, acho que posso dizer que não perdi nada em não estudar... e passei um domingo a ver my dearly beloved Michael C. Hall. :) Ahahah

Querido Pai Natal,

Tudo bem desde o ano passado? O tempo aí na Lapónia, está bom? Deve estar fresquiiiinho por aí, não? Olha, por aqui, eu estou convencida que entrei num congelador de há uma semana para cá.
Como bem deves saber, eu portei-me super bem este ano, ao contrário do ano passado. Trabalhei, entrei na faculdade e aguentei lá um semestre praticamente sem me passar pela cabeça desistir (e quando passou, foi por pouco tempo que eu mal tenho tido tempo para beber água quanto mais para pensar em parvoíces... é verdade!), tirei a cartinha de condução e coisa e tal.
Ora, estes progressos todos devem merecer uma recompensa, right? Portanto, dou-te 24h, mais ou menos, para pensares bem no que é que me vais trazer amanhã à noite... A minha mãe sabe que eu queria um relógio da Fóssil, que tem uns muito giros com as braceletes de cabedal e um livro de fotografia. O meu pai sabe que eu queria os novos livros do Ricardo Araújo Pereira e do Bruno Nogueira. Ou seja, tu podes-me trazer um carrinho, sim? :)
Ou então se quiseres, deixa-me só no sapatinho uma semana de férias assim num sítio de praia, nem que seja ali no Algarve. Se quiseres algo mais simples ainda, passa-me a todas as cadeiras do primeiro e segundo semestre, sim? E sem ser na época de recurso.
E vê também se me levas o stress contigo lá de volta para a Lapónia, amanhã à noite... é que ultimamente tenho sido um autêntico nervo com pernas. Isto para além de parecer uma marioneta desarticulada, mas também estou a fazer por mudar isso (e a minha mãe também, que para amanhã já está a preparar um jantar de me fazer perder a cabeça e esquecer a balança!). Pode ser?
Obrigada.

Beijinhos,
Alexandra

Saturday, December 19

Who knew I'd like this song?

Um dia...

Depois do almoço fui beber café ali à pastelaria do outro lado da rua e calhou-me este pacote. Gostei! :)

Monday, December 14

"Disarm you with a smile
And cut you like you want me to
Cut that little child
Inside of me and such a part of you
Ooh, the years burn

I used to be a little boy
So old in my shoes
And what i choose is my choice
What's a boy supposed to do?
The killer in me is the killer in you
My love
I send this smile over to you

Disarm you with a smile
And leave you like they left me here
To wither in denial
The bitterness of one who's left alone
Ooh, the years burn
Ooh, the years burn, burn, burn

I used to be a little boy
So old in my shoes
And what I choose is my voice
What's a boy supposed to do?
The killer in me is the killer in you
My love
I send this smile over to you


The killer in me is the killer in you
Send this smile over to you

The killer in me is the killer in you
Send this smile over to you
The killer in me is the killer in you
Send this smile over to you"
Smashing Pumpkins - 'Disarm' - Siamese Dream - 1993


Já fui desarmada por um sorriso. More than once.

Uma pessoa vê, por acaso, este rapazinho que concorreu ao X-Factor


E depois, nessa noite, vai ver o Ídolos e parece-lhe que aqueles dez cantaram todos mal... Então a que cantou esta música (se bem que a versão dela foi a dos Muse, que eu até gosto um bocadinho mais que a versão do Michael Bublé) pareceu-me terrível. A rapariga até nem é má, mas ontem pareceu me uma cana rachada, credo!

Por aqui, já é Natal! (e este post vem com uma semana de atraso!)


Tenho andado absorvida por trabalho: apresentações, exames, posters, tudo aquela gente resolveu pedir para a mesma semana. Conclusão: se não tiver já, estarei prestes a ganhar uma úlcera no estômago, de tantos nervos.
Descobri hoje que passei na frequência de MQCF I (com 9, mas passei e não tenho de ir a exame, basta-me fazer uma 2ºfrequência). Tive também um exame prático de ILF, que contrariamente ao esperado, correu muito bem e ao qual parece vou ter à volta de 15 ou 16.
Preocupante, preocupante são a sexta e segunda-feira que se avizinham... se eu sobreviver, dia 22, 23 e 24 não mexo um músculozinho que seja.
A não ser para comprar as prendas de Natal... com isto tudo, nem sequer tenho bem noção que de quinta-feira a oito dias já é Natal e ainda não tratei de prenda nenhuma.
Quando chegar à próxima segunda-feira à noite nem acredito: tenho um exame prático e as apresentações de dois trabalhos nesse dia. Se sobreviver a esta semana, sobrevivo a tudo!

Saturday, December 5

Andavam aí todos contentinhos por irmos ao Mundial, não andavam?

Então agora tomem lá com o Brasil, a Costa do Marfim e a Coreia do Norte, que é para aprenderem! Podia ter sido pior? Podia! Mas também podia ter sido melhor... pfft. Se forem para lá jogar da maneira que jogaram no apuramento, voltam da África do Sul em três tempos.

Friday, December 4

Noites de Luar

Tu foste a musa
A fonte de todo o meu ser
Numa das rondas da Tuna
Senti o meu peito a bater
E olhei para o firmamento
E juro que vi
Nascer uma estrela
Naquele momento.

E em Noites de Luar
Quando ouvires cantar a Tuna
Pensa que no meu pensar
Só estás tu e mais nenhuma

E quando da noite
Já só restar uma lembrança
Vi que junto a meu lado
Não tinha mais que uma esperança
E fiquei ali embalado
E sonhei como seria
Dormir a seu lado
.


E foi assim parte da minha noite de ontem. E depois de ouvir isto, continuei arrepiada durante mais de uma hora. Compensou um pouco a semana terrível que tive na faculdade, apesar de só lá ter estado dois dias e meio.

Wednesday, December 2

Palavra de honra que não percebo o que é que se anda a passar com as mentes criativas deste País que estão por detrás dos anúncios dos supermercados.
Quando já não bastava a muito irritante (como aqui referi) música do anúncio do Pingo Doce, heis que nos aparece a versão Popota-meets-Kuduro-e-Buraka-Som-Sistema (medooooonha!) e a versão Leopoldina-turns-to-Lara-Croft também ela assustadora.
Salva-se o anúncio do Jumbo, em que só de ver o elefante com o gorro de Pai Natal a cantar "Só no hiper de estimação, a poupança é de verdadeeee!" e a bater com a pata no chão, começo-me a rir que é uma coisa parva. Acho uma piada ao raio do anúncio...

Monday, November 30

Matt, Chris & Dominic, thank you very, very much!

Nunca tinha visto Muse na plateia. Só os tinha visto uma vez, a 26 de Outubro de 2006 no Campo Pequeno, e dessa vez tinha ficado no balcão.
Nunca tinha ido sozinha a um concerto. A minha companhia da última e única vez que os tinha visto, neste momento mora em Londres e por circunstâncias da vida (foi profunda esta agora...) a amizade foi pelo cano.
Nunca tinha estado na fila para entrar em nenhum concerto. E quando digo na fila não é chegar e entrar logo, não. É ir para a porta assim tipo quatro horas antes do espectáculo começar.
Nunca tinha saltado num concerto. Não sou daquelas pessoas que estão estáticas mas também não sou pessoa de grandes euforias. Para me levarem ao ponto de saltar, é preciso muito, muito mesmo.

Ontem quebrei todas estas barreiras. Mandei à merda o facto de ir sozinha, comprei bilhete para a plateia em Junho assim que anunciaram o concerto, e fui para a porta do Pavilhão Atlântico às 15h quando aquilo só começava às 21h (abriam as portas às 18h30). 'Alapei-me' lá e não houve frio, nem chuva nem tempo de espera que me demovesse. Sou maluca, eu sei, a minha mãe já fez questão de me dizer isso, mas you know what? I don't give a damn... Porque depois a noite compensou tudo isso. E a noite começou assim.



Quase que bastou este início para eu esquecer tudo. Para além de uma banda, os Muse são também um grupo de entertainers e isso viu-se melhor que nunca ontem à noite. O espectáculo de luz que variou sempre de música para música, o palco elevatório que permitiu que visse algumas das minhas músicas preferidas ainda melhor já que tinha um homem com para cima de 1,90m mesmo à minha frente, pura e simplesmente deixaram-me rendida. E a setlist... Meu Deus, que brutalidade! Quando me chegam à terceira música e tocam esta, pensei cá para mim Que se f***! e comecei a saltar.


Devo dizer que de tanto salto e de tanta Hysteria (ahahah, adoro fazer trocadilhos parvos, eu sei!), mandei um jeito na perna que depois vir para casa a andar foi um caso bonito.
De tanta cantoria a plenos pulmões, hoje de manhãzinha ao acordar, falar era mentira (e a consultazinha no dentista que eu tive logo de manhã, hein? Bem bom... "Então, estou a magoá-la?"... "Nããããoooo".... "Desculpe, não oiço...")
De tanta mensagem trocada durante o concerto, quer com alguns amigos que também tinham ido, quer com o idiota do Nuno que não foi mas que ouviu a New Born e a Stockholm Syndrome e a Knights of Cydonia via telemóvel, até me senti super-acompanhada.

De tanto talento que o Matt, o Chris e o Dominic (uns queridos, cá beijinho!) demonstraram ontem, que parece que me deram uma injecção de felicidade e mais algo que eu não sei bem explicar porque para o perceberem tinham de sentir o mesmo que eu senti, que é díficil, impossível até (e não é presunção, é a realidade mesmo) estou aqui que nem me aguento. E eles disseram See you next year! no final. Espero bem que sim! :)
Cada vez que me ponho a pensar que tive para não ir, só me dá vontade de dar dois pares de estalos a mim própria... Meu Deus!

Parvoíces #2

Aqui eu dizia que não sabia se me iria arrepender de um impulso que tinha seguido.
O resultado desse impulso apareceu esta tarde. E até agora, não me arrependi. Mas até ao final de Dezembro essa hipótese ainda está em aberto...

Friday, November 27

Até o Swedish Chef canta o Bohemian Rhapsody! :P


"Mamaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa!

Mama?"


Ahahah... Genialíssimo! :) Adorei.

Respira fundo, Alexandra. Três, dois, um...

Na imagem de cima podem ver alguns daqueles que vão passar a ser os meus melhores amigos, a partir de amanhã e pelo menos até praticamente finais de Janeiro. É verdade, meus queridos, está prestes a começar a minha época de exames práticos, aos quais se seguem os teóricos.
Numa palavra: ME-DO!
Só sei que espero bem passar às cadeiras todas, senão mando-me ali da ponte abaixo, um dia destes quando andar a passear no Fertagus para lá e para cá.
Vida de estudante... Quem me manda a mim ter metido na cabeça que queria ir para a PJ?

Mais uma vez, o Ídolos

Ao contrário das outras vezes, esta terceira 'temporada' do Ídolos chamou mesmo a minha atenção.
Quando no primeiro domingo, me apareceu lá aquele rapazinho do Porto, o nº1263, e me cantou para lá o Better Man, que é a minha música preferida de sempre dos Pearl Jam, de uma maneira que quase que parecia que estava a ouvir mesmo o Eddie Vedder a cantar para mim, fiquei logo rendida.
Vai daí que depois o rapazinho, que tem uns olhos mesmo giros, me chega cá a Lisboa ao teatro e canta o Use Somebody dos Kings of Leon que é outra música que é bastante especial aqui para a vossa querida blogger... e eu fiquei imediatamente agarrada a TV todos os domingos, para ver o que é que se segue.
Pode não ter a melhor voz de toda nem nada de super-espectacular, mas só pelo gosto musical, já me cativou e põe-me a ver o programa todos os domingos.

Sunday, November 22

Countdown: One Week Left!



Só de pensar que vou estar na plateia, lá mesmo à frente... :)

Saturday, November 21

Há dias em que estamos de tal maneira que não saímos de casa, passamos o dia de pijama a ver a segunda série do Dexter de rajada (que fim mais brutal, meu Deus!), com uma manta polar à nossa volta e uma caixa de Toblerone. Mas nem assim nos passa.

Thursday, November 19

Acho graça...

...ao povo português estar neste momento a endeusar o Carlos Queirós como se ele fosse o retornado D. Sebastião. Eu, que sempre fui uma céptica em relação à escolha dele para seleccionador e que até nem desgostava do Scolari, devo dizer que já há bastante tempo que não me dá gozo nenhum ver jogos da Selecção. Para aí há cerca de um ano que não via nenhum, só algumas partes perdidas aqui e ali. Desde que começou a Era Queirós, vi metade do Malta-Portugal (aquele que ganhámos 5-0 ou que foi) e o jogo com a Dinamarca, em Outubro do ano passado, que perdemos ou empatámos ou lá o que foi e que ninguém daquela comitiva teve a decência de ir ao flash-interview nem avisar que não ia e os repórteres tiveram imenso tempo à espera para nada. O resto da qualificação, que foi altamente VERGONHOSA!, nem sequer me dei ao trabalho de ver, resolvi aproveitar melhor o meu tempo.
Mas no sábado à noite, andava eu entretida nuns afazeres domésticos e como a televisão estava na TVI, lá fui dando um olhinho aqui e ali e confirmei que tudo está igual ao que estava há um ano atrás. Expliquem-me por favor, que eu até agora ainda não percebi, como é que no sábado o Nani esteve, ora portanto, setenta minutos em campo? Esteve que é como quem diz porque ele andava mais ali a arrastar-se que outra coisa.
Enfim. O jogo de ontem não vi mas acho que, antes de se porem a dizer que Portugal é candidato à vitória no Mundial e "ah e tal, weeeee, estamos na África do Sul!", devem é olhar para a linda figura que andámos a fazer na qualificação e perceber que candidatos à vitória são todos os que lá estão. O Euro-2004 ainda nos devia servir de exemplo.
Eu devo dizer que não percebo nada de futebol, mas se eu mandasse nalguma coisa (ufa, ainda bem que não mando, digam lá) despachava o Carlos Queirós dali que era um consolo. Mai' nada!

Claro que se a França for para lá com o Henry a meter golos com a mão, há uns que são mais candidatos que outros mas isso pronto, infelizmente já faz parte.

Tuesday, November 17

Aparentemente, ando a tentar perceber uma coisa que toda a gente sabe porque é super-fácil, é básico, não tem nada que saber, as fórmulas são dadas, etc.
Uma coisa que até uma pessoa que não percebe nada de Matemática desde o 11ºano e que passou sempre um bocado tremida é suposto saber porque é super fácil, é básico, não tem nada que saber, as fórmulas são dadas, etc.
Uma coisa que é necessária para todo o programa do resto do semestre e tem de se perceber agora senão fica-se à nora daqui para a frente e que é super-fácil, é básico, não tem nada que saber, as fórmulas são dadas, etc.
Bom, nestes dias eu já consegui perceber algo que há dois anos atrás quando fiz o 12ºano não tinha conseguido. E aparentemente, isso não vale de nada porque não é isso que interessa.
Obrigadinha. Se o vosso objectivo era fazer-me sentir altamente burra por não conseguir fazer exercícios de algo que é super-fácil, é básico, não tem nada que saber, as fórmulas são dadas e etc, e não contente porque finalmente ontem consegui fazer um exercício inteiro, coisa que no dia anterior era impossível, parabéns. You've made it. Acho que nem no 11º e no 12º ano me senti assim tão burra.
Não era preciso era terem gasto as vossas mui valiosas energias com isso, porque assim já eu me sentia. Para isso, basta-me ir às aulas de Métodos todas as segundas e quartas-feiras e ver toda a gente com um ar entendido e eu ali a apanhá-las do ar.
Portanto, a modos que era isto que tinha para dizer hoje. E agora, dêem-me licença, que eu vou ali ver se me consigo acalmar e dormir, embora tenha vontade é de pegar no telefone e pronto, coiso.

Tendo em conta que estou há uma hora a tremer que nem um urso epiléptico por causa dos nervos, demorei uma eternidade a escrever isto. Se tiver algum erro, olha, corrijam-no.

Monday, November 16

Ando já há uns dias com uma vontade terrível de bater com a cabeça nas paredes. E a culpa é, once again, das derivadas... É que não há maneira de atinar com aquela merda e tenho frequência na quinta. Frequência essa à qual eu queria mesmo passar porque assim sempre me salvo de ir ao exame final e posso só fazer uma segunda frequência em Janeiro, coisa que me dava muito jeitinho.
Agora devia era estar a fazer exercícios para ver se a minha nota no mínimo chega a um 9,5 mas não, venho é para aqui dissertar um bocado sobre uns disparates que não interessam a ninguém, como é costume.
Foi preciso eu chegar aos dezassete anos para começar a ser uma pessoa ciumenta, coisa que nunca fui, e é agora aos dezanove que cada vez mais tenho noção que o sou. E estou cada vez pior. Com a Carolina Patrocínio, a distância entre os olhos é inversamente proporcional à distância entre o peito; ora comigo a minha idade aumenta numa proporção contrária ao meu crescimento mental, só pode, já que quem tem ciúmes são as criancinhas. Ora e como eu até a idade do armário já passei, e a minha até foi relativamente soft, não percebo que raio de parvoíce me havia de dar agora para ser assim. É que se ainda fossem ciúmes fundamentados, pronto, ainda se percebia. Mas cenas sem importância é aquela coisa: é só estúpido.
E não gosto desta sensação. Não gosto mesmo nada. Para o que me havia de dar, também.

Sunday, November 15

Dracula Family #5

[Estádio Universitário de Lisboa - 26.10.2009]

Freak on a Leash

Demorei para aí uns três anos a começar a gostar disto.
E nunca a voz do Corey Taylor me tinha soado tão bem, tão melodiosa (excepto aqui, que é a melhor performance dele de sempre. E já agora, se alguém me quiser oferecer um gorro igual, estão à vontade!). Talvez porque são mais as vezes que o homem grunhe do que canta. É que põe completamente aquele dueto com a Amy Lee para o MTV Unplugged a um canto.


E a brutalidade que é aquele baixo?

Friday, November 13

Hoje de manhã levei com ácido clorídrico em cima. Mais precisamente, em cima do braço esquerdo, que para quem não sabe é o braço onde eu tenho as tatuagens. O que é sempre interessante.
A minha sorte é que a concentração daquilo era só de O,1 M.
Cada vez que penso o que é que me tinha acontecido se a concentração do HCl fosse superior, até fico maldisposta.
Bela maneira de acabar esta semana, sim senhor...

Thursday, November 12

Ouvi hoje na rádio.

"I am gonna breathe slow,
Count from one to ten with my eyes closed

Cause ladies take it in and keep composure.
Ladies never lose composure."

E não é muito o meu género, mas gostei.

Wednesday, November 11

Hoje, levei uma data de pontapés. No sentido figurativo claro, que na Egas ainda não andamos por aí à pancada uns aos outros assim do nada. Lá chegaremos, eventualmente.
Eu admito que às vezes falo mal para as pessoas. A maior parte dessas vezes, sem razão. Admito. Mas quando não gosto de alguém, não gosto mesmo e não consigo estar com sorrisinhos e merdas. E depois exagero e sou mal-educada e parva para essas pessoas. Culpa minha, eu sei, ando a tentar evitar mas às vezes é díficil, muito díficil mesmo porque pronto, o meu grau de parvoíce não me permite separar boa-educação e tolerância do pó que eu tenho a determinadas pessoas.
O dia começou logo bem, a ter uma visão de daqui a dez anos ainda estar ali parada a ter fazer uma cadeira do 1ºano que me anda a tirar o sono (fosse só uma e o problema até era suportável). Depois continou comigo a perder o autocarro por uma questão de segundos. Lá cheguei a faculdade e ia ter uma frequência que era para começar as 9h mas só começou quase às 9h30 porque o Borboletas resolveu chegar vai para meia hora atrasado, o que só contribuiu para me pôr os nervos ainda mais à flor da pele.
Para ajudar à festa, eu tenho uma colega de turma que não suporto. Chamemos-lhe M.P. Ora, a M.P., que é uma das tais que eu às vezes falo mal e tal, resolveu fazer uma piadinha, estávamos nós enfiados num Laboratório há quase duas horas e meia a tentar destilar uma mistura de água/acetona, sobre a minha miopia. Piadinha essa que eu levei a mal e respondi torto. Conclusão: veio a M.P. o caminho todo desde a faculdade até ao metro a dizer cobras e lagartos aqui de môi même, coisas lindas de se ouvir (ouvir pela boca de outros, que ela dizer a mim já não diz). Parece que se eu voltar a abrir a boca, vou ter de me ver com ela. Portanto, basicamente, vou virar muda. E pelo caminho podia virar surda também, que às vezes oiço com cada coisa que, enfim...
Isto tudo a juntar ao que me tem andado a ocupar a cabeça nos últimos tempos, dá uma mistura explosiva. Por isso é que estou aqui que mais parece que me deram meia dúzia de marteladas na cabeça e quinze murros na barriga.
Merdas.

Sunday, November 8

Alexandra's Life OST #5

Quando eu morrer, espero que cada uma destas palavras encaixe perfeitamente naquilo que foi a minha vida.

And now, the end is near,
And so I face the final curtain.
My friends, I'll say it clear;
I'll state my case of which I'm certain.

I've lived a life that's full -
I've travelled each and every highway.
And more, much more than this,
I did it my way.

Regrets? I've had a few,
But then again, too few to mention.
I did what I had to do
And saw it through without exemption.


I planned each charted course -
Each careful step along the byway,
And more, much more than this,
I did it my way.

Yes, there were times, I'm sure you knew,
When I bit off more than I could chew,
But through it all, when there was doubt,
I ate it up and spit it out.
I faced it all and I stood tall
And did it my way.


I've loved, I've laughed and cried,
I've had my fill - my share of losing.

But now, as tears subside,
I find it all so amusing.

To think I did all that,
And may I say, not in a shy way -
Oh no. Oh no, not me.
I did it my way.


For what is a man? What has he got?
If not himself - Then he has naught.
To say the things he truly feels
And not the words of one who kneels.
The record shows I took the blows
And did it my way.

Yes, it was my way.

Frank Sinatra - 'My Way' - My Way - 1969

Por falar em cinemas

Os senhores que trabalham nas bilheteiras dos cinemas Lusomundo são um bocadinho burros. Um bocadinho só, coisinha pouca. E com a mania que são engraçadinhos também.
Na terça-feira, por motivos vários chegámos à bilheteira do Vasco da Gama já o filme tinha começado. Ou melhor, a sessão era às 21h e nós chegámos lá às 21h02. Vai daí, o espertinho do empregado resolve responder, depois de eu pedir os bilhetes: "Olhem que o filme já começou!"
Olha, obrigadinho. Eu ainda não tinha percebido!
"Então mas não nos pode vender os bilhetes?"
Ele lá disse que sim. Passado nem um minuto, o génio lembrou-se de outra. "Vocês sabem que vão ver um filme em sueco, não sabem?"
Não! Jura! E eu que achava que o filme era em grego! Oh pá, que chatice.
Perguntas parvas requerem respostas parvas, right? "Sabemos, sabemos. E também sabemos que o filme tem legendas. E qualquer coisa, eu também arranho um bocadinho de sueco, não se preocupe que nós safamo-nos."
Pena que eu não sei dizer "vai à merda" em sueco, senão o homem ainda ficava mais enterrado do que ficou. Armado em engraçadinho...

Millennium 01: Os Homens que Odeiam as Mulheres

Ora bem, no meio do caos que têm sido os meus dias, quando o estudo começa a acumular matéria e mais matéria, lá consegui acabar de ler Män Som Hatar Kvinnor a tempo de apanhar o filme no cinema. Já só estava no Vasco da Gama (o que é pena que sala de cinema boa boa em Lisboa é mesmo o Campo Pequeno) e lá fui eu, na terça-feira, arrastando o Nuno à laia de anda lá que isto é mesmo giro.
Enquanto por um lado, ouvir um filme inteiro falado em sueco por ser complicado (e eu que apanhava lá umas palavrinhas pelo meio e percebia? :P), ao contrário de muitas adaptações que por aí se fazem, o filme está praticamente igual ao livro, o que é uma mais-valia pois claro. Há pequenos pormenores que foram cortados, alguns deles que para mim podiam ter sido mantidos, mas fora isso a adaptação é bastante fiel. Vale mesmo a pena ver, mesmo sendo um filme que não se vê de ânimo leve.
Há uma cena que nos desvenda um pouco o que se passa em Flickan Som Lekte Med Elden (traduzindo, A Rapariga que Sonhava com uma Lata de Gasolina e um Fósforo) que estou a ler neste momento e que é tão genial como o primeiro.
O melhor de todo o livro e quem sabe de todos os três (que eram para ser dez mas o Stieg Larsson morreu pouco depois de terminar o terceiro e sem nenhum ter sido publicado) é sem dúvida a Lisbeth Salander que é o centro de tudo e quanto mais avançamos na história, mais fundamental se torna para a mesma. E a actriz que escolheram para a interpretar não podia ter sido melhor já que a Noomi Rapace simplesmente rebenta com tudo.
O segundo filme já está terminado (trailer brutalíssimo aqui), estreou na Suécia a 18 de Setembro e é provável que chegue a Portugal talvez no príncipio de 2010 (espero que não demore muito mais). O terceiro está em pós-produção e estreia na Suécia já no final deste mês.
Depois, ontem à noite fui ver o Fame e devo dizer que as minhas expectativas eram baixinhas, muito baixinhas mesmo, e o filme afinal até nem é assim tão mau. Vê-se uma vez e pronto, já está. É bom para descontrair depois de uma tarde de estudo como foi o meu caso, e têm lá uns miúdos que dançam bastante bem até.

Thursday, November 5

Ainda não o ouvi inteiro, mas "Walk Away when You're Winning" será claramente a minha preferida.

Segunda-feira, o David Fonseca lançou o seu novo CD, Between Waves, na FNAC do Colombo.
E eu estive lá. E falei com ele. E tirei fotografias com ele. E conheci uma pessoa muito querida, mesmo. E senti-me super feliz. E ele vai-se lembrar de mim agora e sempre, já que eu sou a herdeira do machado.
E eu tinha ideia de vir aqui escrever uma coisa toda bonita e tal, mais desenvolvida e o raio, mas não estou com disposição.
Neste momento, só me apetece ir ali enroscar-me numa manta e dormir, portanto adeusinho aí, até amanhã.
Isto se amanhã estiver melhor, bem entendidos.

Wednesday, November 4

Ninguém me tira da ideia que esta música foi escrita para o Layne.

"I don't wanna feel no more
It's easier to keep falling
Imitations are pale
Emptiness all tomorrows
Haunted by your ghost

Lay down, black gives way to blue
Lay down, I'll remember you

Fading out by design
Consciously avoiding changes
Curtains drawn now it's done
Silencing all tomorrows
Forcing a goodbye

Lay down, black gives way to blue
Lay down, I'll remember you..."
Alice in Chains - 'Black Gives Way to Blue' - Black Gives Way to Blue - 2009

Eu disse. Eu disse que esta ia ser a minha preferida do álbum. Eu avisei. Em acústico então é coisa para me pôr a chorar. Só assim um bocadinho.

Enfim... estou uma lamechas.

Sunday, November 1

Dracula Family #4

[Instituto Superior de Ciências da Saúde Egas Moniz - Monte da Caparica - 27.10.2009]

Até hoje, é das melhores se não a melhor fotografia que já alguma vez tirei.

Apelo #2

Eu até achava que não era destas merdas, mas sinceramente, há lá coisa que meta mais nojo que um rapaz (neste caso concreto até eram no mínimo três) a olhar para duas miúdas e literalmente drooling over them? É que eu nunca tinha pensado muito nisto mas depois de me chamarem a atenção, assisti a uma cena deveras triste e somei dois mais dois, o que obviamente deu quatro.
Mas qual é a cena dos homens que mal vêem uma rapariga mais engraçadinha e que, cá entre nós, vai sair noite vestida que mais parece que vai para a praia, ficam logo parece que lhes deram uma martelada na cabeça?
É que se eu andasse numa faculdade só de rapazes, até percebia que eles tivessem falta de qualquer coisa, mas tendo em conta que ali só há quase mulheres, pronto, não me parece que seja esse o caso.
Expliquem-me que eu honestamente não percebo. E é coisa que me mete nervos, mesmo.
Eu sou daquelas que acha que é preferível mostrar um bocadinho menos e deixar no ar o que poderá ser o resto. Mas pronto. Devo estar fora de moda.

Friday, October 30

"Que tá a fazere, bebé?"

São 1h35 e acabei de chegar a casa. Enquanto a maior parte dos caloiros da minha faculdade está neste momento na Festa do Caloiro, eu tenho ainda um longo trabalhinho de Química pela frente que tem estar pronto antes das 9h da manhã.
Espírito Académico é comigo pá, mas Química é Química... já me basta provavelmente ir chumbar no final do semestre, ao menos que tenha umas quantas avaliações positivas até lá. Portanto, é meter mãos à obra que os reagentes ainda têm muitas condições de segurança e constantes físicas para serem escritas.
Parte super-boa do jantar é que que fiquei com certezas que escolhi o melhor padrinho, mesmo. E agora venham de lá os reagentes que a noite ainda é uma criança.
Ou não, que só me apetece ir ali esticar-me na caminha e mandar isto à merda!

Wednesday, October 28

Parvoíces

Acabei de fazer uma coisa que não é nada o meu género e da qual não sei se me vou arrepender.
Enfim... A ver vamos.

Tuesday, October 27

Män Som Hatar Kvinnor (já alguma vez mencionei que tenho família na Suécia?)

Traduzindo para português, Os Homens que Odeiam as Mulheres é o título do primeiro livro da trilogia Millennium, de Stieg Larsson. É também o livro de que toda a gente fala, eu sei. Verdade é que já tentei lei o Equador duas vezes e não consigo chegar nem a metade (não sei o que é que aquele livro tem que me dá um sono!) e, por outro lado, o meu irmão foi ver o filme que derivou deste livro (trailer aqui) e disse-me que era brutal. E, estando eu na FNAC a olhar para estantes e mais estantes cheias de livros e estando prestes a escolher um livro ao calhas, trouxe este já que normalmente se o Miguel diz que é bom, é porque é mesmo.
E já há muito, muito tempo que nenhum livro me deixava assim tão ansiosa e agarrada. Desde que comecei a ler Dexter que não tinha mais pegado em nenhum que me fizesse passar horas e horas a fio a lê-lo. E estou mortinha por acabar, ir ver o filme e ler os outros dois volumes da trilogia. É que a história é boa, mas boa!
E eu tenho uma certa afinidade para com a Lisbeth Salander.

Livro de Reclamações #4

Eu estou capaz de MATAR o estropício que teve a brilhante ideia para o anúncio do Pingo Doce. Desculpem lá, mas que merda é aquela? É que é surreal o nível de parvoíce naquele anúncio inteiro, é preciso alguém que tenha muita estupidez acumulada para se sair com uma coisa daquelas.
E o meu colega H. resolveu hoje, na aula de Introdução aos Laboratórios Forenses, às cinco da tarde, falar-me nessa porcaria desse anúncio.
E desde essa altura que ando para aqui a cantar "Venha ao Pingo Doce de Janeiro a Janeiro..." feita parva (que a música é terrível mas fica na cabeça das pessoas) e a minha mãe já me mandou calar para cima de vinte vezes, só que eu não consigo.
Que nervos de música, pá!

Wednesday, October 21

In This Light and On This Evening

Admito: eu não andava com muita esperança, em relação a este In This Light and On This Evening, desde que soube que eles tinham resolvido virar-se para os sintetizadores. Fui ouvi-lo ontem à noite (sim, já saiu há uma data de tempo mas eu tenho andado um bocado mais distraída e passou-me completamente ao lado até este domingo) já de nariz torcido, porque já tinha ouvido o primeiro single, Papillon, que é palavra que eu não consigo dizer em voz alta porque o meu francês não vale ponta de nada, e à qual não tinha achado assim muita piada (e o que aquela gente corre no videoclip, meu Deus?).
Portanto, já andava eu a amaldiçoar o Tom Smith, de quem eu gosto muito porque diz que é engraçadinho e canta bem e coiso e tal, mais os amigos dele por esta facada que tinham dado nas costas ao virarem-se mais para o electrónico, que não é muito a minha onda, quando afinal vai-se a ver e aqui o In This Light and On This Evening não é assim tão mau.
Vá, não é bom, mas assim bom do princípio ao fim como o An End Has A Start mas pronto, tem lá umas quantas musiquinhas que até gostei bastante. Bastante mesmo. Pena é não serem todas.
Portanto, meus queridos Editors, desta vez passa. Mas voltem a fazer-me uma destas, a assustar as pessoas com uma data de meses de antecedência a dizer que o CD é mais electrónico e não-sei-quê, que eu sobe-me a mostarda ao nariz e depois não respondo por mim.
Quanto ao concerto de dia 10 de Dezembro no Campo Pequeno, a ver vamos porque primeiro, tenho um exame (de Anatomia, lá está! Ainda por cima, prático!) no dia a seguir, depois não sei se tenho dinheiro na altura e ainda me falta convencer a minha companhia. Portanto, é coisinha para me dar trabalho. Logo se vê.
No último mês conheci mais gente do que para aí nos últimos, quê?, quatro anos da minha vida, à vontade. Claro que não fazem parte do meu núcleo duro, que esses são poucos mas bons e demoraram um bom tempinho a chegar a esse estatuto, mas já deu tempo para separar o trigo do joio e ver quem vale a pena conhecer melhor e quem devia ter ido antes para outro lado qualquer em vez de me andar a chatear a paciência, que eu cá sou muito de primeiras impressões. Não entram comigo à primeira, esqueçam lá isso. Muito raramente mudo de opinião (sou teimosa que nem uma mula... e um bocado parva também, mas pronto).
Ora se durante estes dias andei embebida num estado de euforia meio irracional (e o mal que isto soa, hein? Parece eu que andei lá aos pulinhos pela faculdade... não estou ainda doida de todo!), à noite é que se estragava a pintura toda.
Neste momento não estou ainda rodeada de pessoas da minha inteira confiança, isso vai demorar um pouquinho mais, e por isso tenho umas saudades enormemente parvas (porque farto-me de falar com elas à mesma) daquelas pessoas que me fazem bem, que me fazem sorrir e feliz.
Por isso, sábado à noite foi assim:

(epá, isto o G. a tirar fotografias é qualquer coisa de super-espectacular.)

Por isso, esta sexta à noite e este sábado vai ser assim de novo:

(a hiper-definição desta fotografia nem merece comentário, eu sei!)

E o resto, para já, não sei. Só sei que pode ser que estes dias (só depois de sexta à tarde, que a porcaria da apresentação da omoplata para Anatomia anda-me a lixar o juízo) me aliviem um bocadinho. Os 19 anos fizeram-me mal, tá visto!

Saturday, October 17

Isto não tem piada nenhuma, mas ontem na aula, tive para aí cinco minutos a rir-me, por causa disto:
Achei genial quem escreveu "RIP" ("Rest in Peace") naquele sacro.
E depois lixei-me, que na próxima sexta tenho de apresentar a omoplata. Trufas!

Thursday, October 15

Alexandra's Life OST #4


Porque comecei a faculdade faz amanhã um mês... e estas duas já marcaram a minha vida.

Tuesday, October 13

1st One, Special One

A partir de hoje tenho oficialmente um padrinho. Já tinha decidido, no terceiro dia de praxe, quem queria que o fosse mas ainda não lhe tinha pedido e hoje lá o apanhei num segundinho e que, comparado com o resto, foi o momento alto do dia. Esta vida de estudante está a rebentar comigo mas às vezes compensa... :)
E amanhã começo de novo a trabalhar, por isso é melhor ir ali pôr o caderno de Química em dia antes de a prof. vá aos arames e me chumbe por ser uma despassarada.

Ah, e sim... o meu padrinho, como é óbvio, só podia ser da Tuna. :)

P.S. Aqui o meu espacinho fez ontem 2 anos. Parabéns para ele, que durou (e durará) mais, muito mais do que eu arriscaria de príncipio.

Sunday, October 11

Sim, eu também tinha de falar do Ídolos...

Faz-me confusão a quantidade de gente que vai a este programa que nunca se deve ter ouvido a cantar na vida. Uma coisa são os cromos, tipo aquele João Pedro que estava de certeza super-drogado, e os outros do género mas há ali pessoas que vão para lá ah e tal porque os meus pais e os meus amigos dizem que canto bem.
Ora, eu gosto muito de cantar e posso confessar que adoraria fazer parte de uma banda mas tenho consciência que a minha voz não é de cana rachada mas não fica muito longe. Eu servia para tocar piano ou guitarra ou baixo ou bateria (este último talvez não, que a minha coordenação motora deixa muito a desejar, mas tenho o sonho de saber tocar os outros dois, um dia). Felizmente, os meus pais e amigos, que coitados me estão sempre a ouvir cantar porque eu não consigo estar calada, apesar de gostarem muito de mim nunca me disseram "olha filha, cantas tão bem, porque é que não vais para o Ídolos?".
Há que ter uma noção mínima das coisas tais como elas são... E por muito que eu me possa rir da figura rídicula que alguns fazem, não deixa de me fazer uma certa confusão quem não tem nem a mais pequena ideia da realidade em que vive.

Por outro lado, há quem vá a estes programas para perseguir o seu sonho e que cante mesmo, mesmo bem. A esses, tiro-lhes o chapéu e faço uma vénia.

Black Gives Way To Blue

Deste Black Gives Way to Blue já tinha ouvido uma das músicas, o single A Looking in View, mas não tinha prestado grande atenção. Preferi esperar que saísse mesmo o álbum, faltavam aí umas duas semanas, e ouvi-lo por inteiro.
Ora, comecei a ouvi-lo na semana passada mas fiquei a meio e só acabei agora. Ouvi-lo por inteiro, népia. Porquê? Porque as músicas me estavam a soar todas ao mesmo. Tirando a que dá o nome ao CD, e que provavelmente será a minha preferida, o resto não é nada por aí além. Sim, o William Duvall tem uma voz muito parecida à do Layne Staley, (que tem, já os vi ao vivo e realmente é mesmo) mas isso não chega.

Falta-lhe ali qualquer coisa. Para mim, falta-lhe um pouco mais disto.


Man in the Box, do Facelift lançado em 1990 é a minha música preferida de sempre de Alice in Chains. O vídeo tem uma qualidade de imagem e de som péssima mas acho que é bem perceptível o que quero dizer. Neste Black Gives Way to Blue, não há nenhum momento destes... Rien. E o problema, para mim, é exactamente esse.

Saturday, October 10

Notícias do dia de Ontem

O Obama é o novo Prémio Nobel da Paz e o Tarantino vai fazer um Kill Bill Vol. 3.

Parece-me bem. Muito bem mesmo. :)

Thursday, October 8

Cheering up very much needed... ou então, tratem-me só a parvoíce.

Apetece-me escrever muita coisa, mas não posso porque até eu própria tenho vergonha de o admitir. Por isso, ando aqui há uma data de dias com o coração nas mãos e a continuar assim, nesta pilha de nervos, depressa depressinha vou ter um ataque cardíaco, for sure.
Nestes dias só me tem apetecido fazer duas coisas, sendo uma delas dormir. E dormir. E dormir. E acordar daqui a 3 anos.
Não me apetece estudar. Nem Métodos, nem Química, nem Anatomia, nem Biologia nem nada. Destas quatro, devo chumbar às duas primeiras. Odeio, odeio, odeio profundamente trabalhos de grupo, sempre odiei, e vou ser 'obrigada' a fazer imensos e ainda por cima com pessoas que não conheço de lado nenhum. Um deles, terá de ser já este fim de semana, em príncipio.
Eu que só esperava que amanhã passasse depressa, depressinha, para poder chegar a casa a tarde e ficar com o fim de semana todo, a ver se me passa a crise existencial que, cá para mim, despoletou quando fiz anos.
E a ver se ganhava coragem para dizer o "Estou aqui e preciso de ti", que ando a adiar há meses e meses por ser tão mariquinhas.

Wednesday, October 7

Hearts Burst Into Fire #3

Porque já queria vir para esta licenciatura em Ciências Forenses e Criminais antes de começar a vê-lo mas ele é tão querido e engraçadinho que às vezes dou por mim a pensar que espero que na PJ haja um como ele...
E porque adoro a personagem mesmo (fiquei rendida quando li os livros, o que aconteceu antes de ver a série) e o actor também. :)
Dá-me assim uma boa disposiçãozinha, mesmo depois de ter passado a noite a tratar de apontamentos de Anatomia e de ter me levantar daqui a cinco horas e meia para voltar para as aulas...
P.S. A season 4 estreou no domingo, 27/09, nos E.U.A.

Sunday, October 4

Não sei se é do facto de não conseguir respirar normalmente há mais de três dias, ou se é de parecer que estou dentro de um aquário e só ouvir as pessoas assim muito ao longe porque tenho os ouvidos tapados, ou se é de não conseguir parar de tossir há praticamente dez minutos ou ainda de é da voz super-e-extremamente-sexy que a mistura de nariz-entupido+rouquidão me dá...
Só sei que estou com um feitiozinho de merda que ninguém atura; já o tenho normalmente, mas neste momento está ainda pior.
Mas como finalmente consegui deitar a mão aos episódios novos de CSI, Dexter e Grey's Anatomy, vou ali ver se me passa a parvoíce, isto é, a gripe, antes que a faculdade me comece a tirar tempo para isto.

Saturday, October 3

Turning 19

Mais ou menos a meio do ano, estive para fazer uma espécie de balanço deste 2009 até então mas achei melhor esperar um pouco mais. Agora, tendo passado para os 19 (ontem), faz um bocadinho mais de sentido fazer um apanhado deste 2009 até agora.
Portanto e pegando naquilo que escrevi aqui, posso dizer que neste momento peso menos de 55 quilos (e isso já me valeu muita chatice, que agora só me dizem que estou magra de mais, pareço doente e sub-nutrida e mais umas cenas parecidas e já não há paciência... até me puseram a tomar vitaminas!), tenho visto séries e filmes a mais (como se isso fosse possível), tenho andado mais a pé e gostava de começar a dar aí umas corridinhas de vez em quando, mas o meu horário para já ainda não me inspira muito a isso, tirei a carta de condução e entrei para faculdade (e agora que lá estou, vamos ver como é que corre...).
Quanto ao resto, ainda não estou propriamente lá, mas espero lá chegar em breve. Pelo menos até 31 de Dezembro, que isto de repetir resoluções de ano novo de um ano para o outro soa-me um bocado a fiasco. Enfim, manias!

Wishlist #5

Acho que o meu 'ódio' à Scarlett Johansson pode ser equiparado ao meu amor por este casaco.
Da Mango (ainda não o consegui ver em nenhuma cá em Portugal, mas pronto), tem um preço que até dói, 219€, mas é giro, giro. Tão giro que não me importavam rien de rien de ter um. :)

Between Waves

Between Waves é o título do novo trabalho do meu queridinho David Fonseca, que é lançado no dia 2 de Novembro. É o seu quarto trabalho a solo e, depois de me ter prendido novamente após os Silence 4 e para sempre com os seus Dreams in Colour (because I also dream in colours but drift in circles), o Davidinho (cá beijinho à Alexandra... ah, não espera, já deste) está de volta com coisinhas novas, animadas e que me põem super-contente e bem-disposta.
A Cry 4 Love é um óptimo exemplo disso. E de certeza que o resto do CD também será. É esperar para ver... Já não falta muito. :)
A ver se é desta que o vou ver ao vivo... Esperemos.


E eu que andava a pensar que a listinha ali do lado estava a ficar pequena de mais... Tenho de arranjar mais coisas para lá pôr. Want to help?

Ah e tal, diz que é díficil...

Eu já andava a pensar nisto há uns tempos mas as aulinhas (medooonhas!) que tive no príncipio desta semana (sim, só no príncipio que desde quarta que não ponho os pés na faculdade à pala da porcaria da constipação que me mandou abaixo...) serviram de wake up call para um facto muito simples e que eu vou passar a explicar.
Ora bem: eu já não estudo, no sentido de me sentar, pegar num livro e estar ali concentradinha, vai para um ano e meio. Matemática ultimamente era a minha pior disciplina e só tive 11 no Exame Nacional porque ele era estupidamente fácil. Química até gostava mas na aula que tive na terça à tarde nem consegui dizer à prof. qual era qual no que toca ao soluto e ao solvente. Enfim... pequenos apontamentos que já retirei das poucas aulas que tive até agora.
Portanto, tendo em consideração isto tudo que disse no parágrafo anterior e tendo em conta que as três principais disciplinas deste semestre são as duas acima e Biologia, que por acaso é a minha preferida de sempre mas onde só passaram oito dos alunos que agora estão no segundo ano (e no total eram para aí 40 ou assim), acho que posso dizer que me apetece largar um F***-**!
Estou tão lixada!

É isso e estar numa faculdade (e especialmente num curso) só de mulheres. Enfim... São aquelas pequenas coisas que uma pessoa tem de superar. E muita mulher junta, normalmente, dá disparate. E não há-de tardar muito... Vão por mim.

Tuesday, September 29

Ah, e no meio disto tudo, domingo fui votar pela primeira vez. Bom, bom foi a senhora que estava lá na mesa, depois de eu dizer o meu número de eleitor e da outra ter dito o meu nome completo, se virar para mim e, com o meu B.I. na mão, perguntar "É o seu nome?"
Sublinho, a senhora estava com O MEU B.I. NA MÃO.
Enfim... só não lhe respondi "Não, sabe, fiz uma operação e agora chamo-me Mário Jorge e vou começar a fazer espectáculos no Trumps." porque isso daria pano para mangas e queria era despachar-me dali.

Dura Praxis...

... sed praxis é latim para "A praxe é dura mas é praxe" que foi o meu lema da passada semana. Foi uma semana completamente fora do comum, com pouquíssimas horas de sono (só dormi para aí seis horas em três dias), com muita roupa suja (levei com todas as porcarias que possam imaginar), muitos risos e principalmente muitos gritos. Eu, que sou uma anti-socialzinha de merda, conheci bastante gente dentro e maioritariamente fora do meu curso e na sexta-feira, após uma semana a olhar para o chão e a ser tratada abaixo de cão, tive a oportunidade de, à terceira tentativa, jurar o meu curso. Isto quer dizer que, na próxima Semana Académica, após o Baptismo, vou poder trajar e o meu padrinho vai-me traçar a capa pela primeira vez.
But first things first, os dois primeiros dias foram terríveis. Já me estava a passar pela cabeça chegar lá e dizer ao meu doutor 'epá arranjem outra que eu não tenho paciência para esta merda' quando tiveram uma conversa comigo que mudou por completo a minha visão da praxe e me fez desfrutar muito mais e hoje digo que continuava com aquilo o tempo que fosse preciso. Tive sorte com os doutores que calharam no meu grupo, que eram dos mais porreiros da Comissão toda e pronto, coisas tipo cenas e merdas, tudo se passou naquela semana. Um dos momentos altos foi, sem dúvida, o Jantar Académico e a actuação da Tuna, a Tuna Masculina que me deixou literalmente a chorar. Sempre gostei de tunas, e lembro-me de um amigo do meu irmão pertencer a uma no seu tempo de faculdade, mas nunca tinha visto nenhuma ao vivo. Eles são poderosissímos!
Nomes de praxe tive três até chegar ao definitivo, gritei tanto mas tanto que agora é que estão a ser elas, porque a minha garganta está-se aqui a queixar muito que quero falar e quase não consigo e agora cheguei às aulas e não tenho vontade quase nenhuma de lá estar. Enfim...
Portanto, está explicada a minha ausência destas lides durante a semana passada. Mal parei em casa, quanto mais no computador. Mas valeu a pena. :) E agora vou ali dormir que ainda ando com o sono trocado.

Sunday, September 20

Lifestyles of the Rich and Famous #2

Sou só eu que acho que alguém devia meter uma rolha na Carolina Patrocínio? É que cada vez que a mulher abre a boca, sai disparate. Deve ser uma limitação qualquer, ela não consegue dizer duas seguidas... Primeiro diz que se for preciso faz batota para ganhar, depois que só come cerejas se a empregada lhe tirar o caroço (e uvas sem grainha) e agora resolve dizer que votou PS nas últimas legislativas, quando ainda tinha 17 anos?
Oh Carolina, querida... e um baláziozinho assim no meio da testa, não? Fazias um favor a toda a gente. E o buraquinho na tua testa, assim bem alinhado com os teus olhos tão juntinhos que eles são, ficava-te mesmo bem.

Desafios e Mimos #5

A P. ofereceu-me este
e a Mais Nova e a Mais Velha ofereceram este
Obrigada meninas!

Saturday, September 19

I Got a Feelin'


Epá, eu nem gosto de Black Eyed Peas, mas esta música faz-me sempre lembrar as minhas aulas de condução porque a Susana tinha sempre o rádio do carro sintonizado na Cidade FM e não havia aula que esta música não tocasse. A certa altura, já eu cantarolava isto também. E no primeiro dia de faculdade, a viagem da faculdade até à estação de comboio foi feita ao som desta I Got a Feelin' com seis futuros criminalistas (hehehe) enfiados dentro dum carro, de vidros abertos, a cantar e a abanar as cabecinhas (Ah, que bonito!!).

Vi este vídeo no blog da P. e achei fantástico. Adoro, adoro, adoro concertos (isto não foi bem um concerto mas that's not the point) e acho o momento memorável e poderoso. A energia daquelas pessoas todas e a coreografia e a forma como se vai espalhando ao longo da multidão... Se repararem bem, ao príncipio era só uma rapariga para ali aos saltos feita maluca, e no fim são mais de 20 mil (segundo eles) a saltar e a cantar. Isto é que é uma flashmob. :)

AMO!

Juntamente com Calvin&Hobbes e Garfield, a Mafalda é a minha banda desenhada preferida de sempre. :)

I'm lovin' it!

Voltei, voltei, voltei de lá, ainda agora estava ali no Monte da Caparica e agora já estou cá! :)

Pois é, meus queridos, esta semana andei um bocado fora daqui, com o começo da faculdade e coisas que tais. Só de pensar na quantidade de posts que tenho em atraso, até perco a vontade de os fazer. Mas que pôr em dia as novidades por isso, vamos lá:
Quarta-feira comecei a faculdade. Ainda não sei o horário completo mas não vai ser grande coisa. Sexta-feira ia ter o dia livre mas já sei que tenho uma práctica às 9h da manhã, quase de certeza. O pessoal do curso, apesar de ainda não estarmos todos, é todo muito diferente mas é tudo boa onda e, para já, estamos todos na maior. Há pessoal do Porto, de Castelo Branco, do Alentejo, de Lisboa, de Sintra, dos Açores... Em dois dias, já conseguimos arranjar o nosso primeiro spot e tivemos uma recepção organizada pelos do 2ºano, o único além do nosso, já que o curso começou só no ano passado. Recepção essa que até teve direito a socialização com a tuna. Enfim... Segunda começa a praxe e aí é que vai ser (mas não quero começar já a pensar nisso que ainda tenho o domingo todo para aproveitar... Odeio praxes!). Para quem tinha a minha experiência de faculdade (no ano passado foi só um dia mas foi terrível), estou a adorar e para já está a correr bem; quando começarem as aulas a doer e isso, logo se vê.

Fora isso, aproveitei para fazer coisas que daqui a uns tempos vai ser um bocadinho mais dificil de conciliar com a faculdade: estar com alguns amigos, dormir, ver séries pela noite dentro, ver o 5 para a Meia Noite quase todos os dias e pronto, todas essas coisinhas que eu adoro.
Por isso, no meio disto tudo, negligenciei um bocado aqui o blog. Mas já vou pôr tudo em ordem, don't worry.

Saturday, September 12

Alexandra's Life OST #3



Nem é bem por causa da música em si, que por acaso até nem faz parte dos meus géneros preferidos. I'll Be There For You foi composta por volta de 1994, é interpretada por The Rembrandts e é mais conhecida por ser o tema do genérico da série Friends. Durante 236 episódios que perfizeram as dez seasons que esta série brutalíssima durou (entre Setembro de 1994 e Maio de 2004), houve cerca de 45 segundos desta música que tiveram sempre lugar marcado.


Ora, eu já vi cada um destes 236 episódios, sendo que cerca de metade ou mais foram na companhia do meu irmãozinho. E agora estas duas semanas que tive de férias, deu-me vontade de rever e já vou na terceira season.
Amo mesmo esta série e como dizia o meu irmão aqui há duas noites "é impossível não gostar disto". Porque é mesmo. É uma sitcom com momentos completamente hilariantes, em que não se consegue mesmo conter o riso, em que as personagens são até bastante reais e que retrata situações que nos acontecem a todos no dia-a-dia. E é uma série que realmente fica na memória.
Eu e o bro somos o exemplo disso. Há aquelas pequenas coisas que ficam, como dizer OH-MY-GOD! ou Could you B-E anymore stupid? e os clássicos We were ON a break! e/ou How you doin'? :)
E ainda há duas noites, naquele bocadinho do génerico entre o primeiro e o segundo verso, batemos os dois palmas, sem termos combinado, tal e qual como eles fazem.
E a letra, apesar de não trazer nada de novo, dá mesmo aquela mensagem de amizade à prova de bala. E eu sou lamechas e gosto disso. :)

(E já agora, eu sou tal e qual a Monica... MESMO!)

Thursday, September 10

Dracula Family #3

Porque segunda-feira foi dia de celebrar... :)

Tuesday, September 8

Passei na condução, tu-ru-ru...

Quando comecei a tirar a carta, se me dissessem que ia chegar ao final do exame de condução e ouvir aquilo que ouvi, não acreditava.
"Alexandra, gostei muito da sua prova. Sabe muito bem aquilo que está a fazer, tem uma recolha de informação óptima, trabalha bem a caixa de velocidades e não tenho nada a apontar. Com a experiência, vai ser uma óptima condutora. Parabéns!"
E sim, o examinador disse mesmo isto.
É como diz o meu irmão: não se esperava outra coisa, tenho bons genes. :)
E desde as 9h da manhã de ontem, também já tenho carta! Ahahah!

Sunday, September 6

Se oiço a expressão "Ponto de Embraiagem" mais uma vez que seja, começo a dar com a cabeça nas paredes!

Bem... Se não tiver um ataque cardíaco causado pela ansiedade, amanhã de manhãzinha vou fazer o exame de condução.
Acabei de passar uma hora a treinar o estacionamento num carro a gasolina. Estou habituada a conduzir um carro a gasóleo... conseguem imaginar a quantidade de vezes que o carro foi abaixo, num espaço tão curto de tempo?
Eu digo-vos: para aí umas VINTE!
Bonito...

Saturday, September 5

Ontem quando ia apanhar o comboio em Entrecampos (tive de ir à faculdade tratar de umas coisas), estava a subir as escadas e ao olhar para cima dei de caras com o C., um antigo colega de turma. Há mais de um ano que não lhe punha a vista em cima e acho que fiquei tão espantada de o encontrar como ele. "Ah e tal, o que é que tás aqui a fazer?" e tal. "Vou para o Egas." "Então vais para o pé de mim" (ele está na FCT da Nova) e mais meia dúzia de frases do género e "Adeus, até um dia destes."
Ora, o C. foi a minha segunda paixão assim mais a sério. Durou, pouco mas durou, e tive meses e meses a ganhar coragem para deixar transparecer ainda mais (já me disseram que eu sou um pouco transparente demais) o que sentia por ele sem nunca chegar realmente a fazê-lo. Se ele se apercebeu ou não, não sei mas respeitou-me o suficiente para nunca fazer nenhum comentário sobre o assunto. O C. fez-me (re)descobrir Avenged Sevenfold e adora o Nightmare Before Christmas quase tanto como eu. Aliás, foi das primeiras pessoas a quem mostrei o Jack (e ele sabe que eu tenho um pouco de Sally). O C. toca baixo e a banda dele dá vários concertos por aí e eu tenho saudades de ir a um, por acaso. O C. tem certos pontos em comum contigo mas noutros é o completo oposto de ti e, talvez por isso, por ainda estar na fase da ressaca, me tenhas chamado a atenção ao príncipio.
Seja como for, depois de ter ido à faculdade, quando regressava no comboio lembrei-me tanto, mas tanto de ti. Não que não me lembre quase todos os dias mas esta foi uma daquelas vezes com direito a arrepio e borboletas na barriga. Porque ele "serviu de aperitivo" (isto não soa nada bem, eu sei, mas não me lembro de nada melhor que encaixe no que eu quero dizer) para o que viria a seguir. Limpou-me a alma e nunca me fez ficar assim completamente deprimida e triste por não ir dar em nada porque é assim que ele é, tudo sempre na boa, sem stress, deixa andar e dou-me bem com toda a gente. Depois vieste tu e fizeste a diferença e deixaste marca.
E por isso sinto imenso a tua falta. Muito mesmo.
Pronto, já tá, já disse. Assim como assim, como já não lês isto, não faz mal. E a mim, hoje fez-me bem.

Wednesday, September 2

"You probably heard we ain't in the prisoner-takin' business; we in the killin' Nazi business. And cousin, Business is a-boomin'."

Definitivamente, o Tarantino superou-se neste Inglorious Basterds. Valeu bem a espera. É o melhor papel do Brad Pitt desde o Fight Club, sem dúvida. A atitude dele, aliás a atitude dos Basterds todos ao longo do filme é fantástica. Depois há a banda sonora, sempre perfeita nos filmes do Tarantino, e o humor, perverso, obscuro, simplesmente genial! É garantido, não há filme realizado por este homem do qual eu não goste.

Monday, August 31

Meet MY Jack Skellington

Tubo de Ensaio is back!

Ao fim de pouco mais de dois meses de férias, voltei à minha rotina matinal. Por volta das 9h20 da manhã, já tenho o Bruno Nogueira para me acordar. E uma pessoa acorda tão mais bem disposta assim... :)

Tubo de Ensaio, todos os dias às 9h20 da manhã na TSF. Ou aqui.

Farmville Mode: ON!

Andava já farta de ouvir toda a gente a falar-me do Facebook e de mais não-sei-o-quê que lá se podia fazer... Um profile já eu tinha mas não lhe ligava népias, que a minha 'fase hi5' já passou a muito tempo. O cúmulo foi quando o meu irmão, que pouco liga a essas cenas das redes sociais, me veio com a mesma conversa.
E vai daí, fui dar uma espreitadela. E não é que aquilo até é giro? Ter uma quinta, cuidar daquilo e semear os frutos e tratar dos animais e tal, até tem piada. Gostei. :)

Saturday, August 29

"It's my time now. Our time..."

Ontem à noite, estive a rever este filme que é bom, mas bom!
O final é uma das cenas mais brutais de sempre da História do Cinema. Amo completamente. E o Al Pacino é um actor completamente fora-de-série. O John Milton não seria tão psicótico nem tão poderoso se tivesse sido um outro qualquer a representar.

"John Milton: That day on the subway, what did I say to you? What were my words to you? Maybe it was your time to lose. You didn't think so.
Kevin Lomax: [raging] Lose? I don't lose! I win! I WIN! I'm a lawyer! That's my job, that's WHAT I DO!
John Milton: I rest my case. Vanity... is definitely my favorite sin. Kevin, it's so basic. Self-love, you own natural oppiate."

Já agora, estou oficialmente de FÉRIAS! Até 16 de Setembro, dia em que começo as aulas da faculdade, vou aproveitar e bem o meu merecidíssimo descanso.
Para marcar esta mudança, o blog foi ao cabeleireiro, à manicure e às compras e apresentou-se hoje com um visual novo para o seu 400º post. Espero que gostem. :)

BAH!

Odeio répteis! Odeio! Odeio assim mesmo de ver um e começar a tremer e ficar parada e sem reacção (normalmente foge-se ou grita-se mas eu não, fico quietinha, tipo paralisada). E há dois dias que não durmo nada por causa da porcaria dos bichos que têm aparecido no sítio onde trabalho.
Quinta foi uma osga. Grande, gorda, nojenta com pintas amarelas. Mas não a apanhámos e por lá andará ainda (brrrr!). Ontem foi uma lagartixa que, literalmente, me caiu em cima do pé. Gritos, esfregonas, vassouras e Air Wicks depois, lá morreu, tadinha (p*t*, não tinhas outro sítio para ir, não?) e agora jaz na árvore lá à frente.
Depois disto, estão a ver a pica com que eu tou para ir trabalhar hoje, hein? Último dia, com sorte ainda me aparece lá uma cobra.
F***-se!

Friday, August 28

Dracula Family #2

[Costa da Caparica, Agosto de 2009]
Acabo de trabalhar amanhã e a semana tem sido péssima, péssima, péssima, mas isso já se adivinhava. Pouca inspiração e uma grande neura. Enfim... Mais uns diazinhos e isto passa-me. Até lá, enjoy my pictures.

Thursday, August 27

We're like Monica and Rachel

Somos tão boas! :) *

Sunday, August 23

Alexandra's Life OST #2


"You and me, I can see us dying, aren't we?"
No Doubt - 'Don't Speak' - Tragic Kingdom - 1996

Aos anos que oiço e oiço e oiço e nunca me canso. Desde sempre.
Nunca me hei-de de cansar.